Carro próprio ou transporte por apps: qual opção é melhor para o seu bolso?

Andar de carro custa caro! Não é novidade para quem vive em grandes cidades e tem um automóvel na garagem. Você gasta com combustível, estacionamento, impostos, seguro, manutenção…E todo tipo de imprevisto! Um estudo recente divulgado pela Associação Brasileira de Planejadores Financeiros chegou à conclusão que, em São Paulo, a maior cidade do país, o custo para usar exclusivamente o carro como meio de transporte é de aproximadamente 20 mil reais por ano! É, 20 mil! Se o valor assusta, a boa notícia é que fazendo bom uso da tecnologia e soluções alternativas, dá para continuar usando o carro e, ainda assim, economizar uma boa grana.

A pesquisa comparou os custos para se locomover pela capital paulista usando diferentes tipos de transporte e inclusive combinando alguns deles, entre o carro, aplicativo de motoristas particulares, transporte público, bicicleta e os mais recentes patinetes elétricos. A comparação foi feita em um trajeto de sete quilômetros e meio simulando ida e volta para o trabalho. Você arriscaria dizer qual é a combinação mais econômica?

Dá só uma olhada nesta tabela que compara os gastos anuais. Beleza, a gente já sabe que só rodando de carro, são mais ou menos 20 mil reais por ano. Segundo o mesmo levantamento, deixar o carro de lado e passar a usar somente aplicativos como Uber, 99 e outros de transporte particular, o custo já cai pela metade: 10 mil por ano. Ainda é bastante. A combinação entre transporte público e a sensação do momento, os patinetes elétricos, derruba ainda mais o valor; já cai para cerca de 5.500 reais. A combinação do transporte público com a bike consegue ser ainda mais interessante. Menos de 3 mil reais por ano. E, se for possível e seguro, usando só a bicicleta, o gasto fica perto dos mil reais anuais.

Além de escapar do trânsito caótico das grandes cidades, a bicicleta é um modal de transporte alternativo que traz muitas vantagens: você ganha tempo, ajuda na redução da emissão de gás carbônico na atmosfera, se exercita e, consequentemente, deixa de ser sedentário; ganha saúde. Hoje, através de um aplicativo no smartphone, é muito fácil encontrar e usar uma bike compartilhada pelas ciclovias da cidade.

Desde 2011, para tentar devolver para a sociedade um mínimo do que é investido no banco, uma instituição financeira brasileira criou um programa de mobilidade urbana e distribuiu estações de bikes compartilhadas em cinco cidades brasileiras. Tudo funciona a partir do aplicativo que é monitorado em tempo integral. Os dados das viagens coletados foram usados para criar um relatório de impacto do uso da bicicleta na cidade. Mais uma vez, o que chamou muito a atenção foi a questão da economia gerada ao trocar o acelerador pelos pedais…

Interessante também é que quem pedala acaba ajudando quem não sai de trás do volante. Os dados coletados pelo uso dos aplicativos de bikes e patinetes são divididos com a gestão pública das cidades. Esse tipo de informação é essencial para que as prefeituras possam enxergar ainda melhor o impacto da bike aliado à tecnologia e assim investir em melhor infraestrutura e segurança para quem pedala pela cidade.

Compras na internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar


RECOMENDADO PARA VOCÊ

Últimos vídeos

Motorola entra no mercado de TVs

Motorola entra no mercado de TVs

16/09/19 21h00

A Motorola em parceria com a Flipkart, gigante indiana do comércio eletrônico, fez sua estreia no mercado das Smart TVs. A empresa... saiba mais